19/07/2017 - Estudo prevê esvaziamento de pequenos municípios na Comcam

Projeção divulgada pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes) aponta para uma redução populacional em 23 das 25 cidades que compõem a Comunidade dos Municípios da Região de Campo Mourão (Comcam) até 2040. De acordo com o levantamento, a região deverá perder nas próximas duas décadas 58.085 habitantes, reduzindo dos atuais 341,4 mil, conforme estimativa do IBGE de 2013 para 288,5 mil.

Segundo os números, apenas dois municípios da Comcam terão um pequeno aumento do número de habitantes: Campo Mourão (0.5%) e Terra Boa (2.5%). Já as cidades com redução mais drástica são: Nova Cantu (43,4%); Altamira do Paraná (42,9%); e Janiópolis (41,2%). As projeções levam em conta componentes demográficos como o estoque de população, nascimentos, óbitos e os saldos migratórios. Veja abaixo a tabela com os números por município.

O levantamento aponta também para o aumento da população idosa e diminuição de jovens. A população de 0 a 14 anos deve passar de 20,8% em 2017 para 14,6% do total do Estado. A população idosa, por sua vez (65 anos e mais) passa de 9,2% para 19,9% no período. Essa tendência, explica o diretor de pesquisas do Ipardes, Daniel Nojima, é verificada em todo Brasil e está associada ao declínio da natalidade e à ampliação da expectativa de vida.

No Paraná, o processo é mais acentuado em Curitiba e em municípios de menor porte, com menos de 10 mil habitantes, onde se verifica a migração dos mais jovens para outros municípios em busca de novas oportunidades. “São cidades de base agropecuária, que vivem também um processo de mecanização das lavouras, e os jovens acabam indo para municípios vizinhos. São migrações de curta distância bastante regionalizadas”, diz Nojima.

Em nível de Paraná, o Estado passará dos atuais 11,243 milhões habitantes para 12,208 milhões de habitantes até 2040, de acordo com a projeção. A população deve atingir a marca de 12 milhões de pessoas ao final da próxima década e ficar praticamente estável nos 10 anos seguintes. Pela projeção, nas pequenas cidades, a média da proporção de idosos com relação à população total passa de 11,3% em 2017 para 24,2% em 2040. Em Curitiba, de 9,6% para 21,3% no mesmo período.

De acordo com Nojima, os resultados são importantes para subsidiar o planejamento de políticas públicas. Segundo ele, o Paraná já tem uma população mais envelhecida que a média brasileira e certamente o perfil do mercado de trabalho vai ter que mudar. “Teremos implicações tanto para o setor educacional quanto para saúde pública, questões que precisarão ser pensadas para um planejamento futuro”, afirmou.

 

QUEM GANHA E QUEM PERDE

As projeções indicam, até 2040, perdas populacionais em 223 municípios, em paralelo a ganhos em 176 cidades. Dos 223 municípios que perdem população, 142 têm até 10 mil habitantes e 62 têm de 10 mil a 20 mil habitantes. “É preciso notar, porém, que a perda de população não quer dizer perda de dinamismo econômico. Juntos, esses 204 municípios representam 38,6% do PIB agropecuário do Estado”, diz Nojima.

Do lado dos 176 municípios que ganham população, 61 têm menos de 10 mil habitantes; 47 possuem 10 mil e 20 mil, e 37 entre 20 mil e 50 mil. O número de cidades com mais de 100 mil habitantes passa de 18 para 24 em relação ao ranking de 2010.

 

 

Em relação a 2017

Município

População em 2040

Variação

Altamira do Paraná

2.132

-42,9%

Araruna

12.780

-7.8%

Barbosa Ferraz

9.390

-22.8%

Boa esperança

2.917

-31,7%

Campina da Lagoa

10.536

28.0%

Campo Mourão

93.561

+0.5%

Corumbataí do Sul

2.972

-22.1%

Engenheiro Beltrão

11.799

-15.7%

Farol

2.577

-23.0%

Fênix

4.354

-9.7%

Goioerê

23.561

-18.4%

Iretama

8.155

-20.9%

Janiópolis

3.403

-41,2%

Juranda

5.888

-20.8%

Luiziana

6.347

-13.9%

Mamborê

10.362

-23.9%

Moreira Sales

9.847

-20.1%

Nova Cantu

3.682

-43,4%

Peabiru

12.379

-11.1%

Quarto Centenário

3.515

-24.5%

Quinta do Sol

3.781

-23.1%

Rancho A. do Oeste

2.345

-15.1%

Roncador

8.566

-23.4%

Terra Boa

17.220

+2.5%

Ubiratã

16.481

-21.9%

Fonte: Ipardes

 

Esvaziamento de cidades preocupa prefeitos

Com menos habitantes, os municípios passam a receber uma fatia menor nos repasses do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), principal fonte de receita das pequenas prefeituras. Pela projeção, a população de Nova Cantú, por exemplo, deve encolher 43,4% até 2040, assim como a de Altamira do Paraná, 42,9%, maiores reduções na região.

Para a presidente da Comunidade dos Municípios da Região de Campo Mourão (Comcam), Angela Kraus (PSDB), prefeita de Farol, reverter a tendência de perda populacional é um desafio aos gestores municipais. "Uma das saídas para isso é o gestor público buscar geração de emprego e renda mantendo os jovens nos municípios", observou.

O prefeito de Fênix, Altair Molina Serrano (PMDB), cujo município deverá ter uma redução de 9,7% conforme as projeções, diz que desde que assumiu a prefeitura, em janeiro deste ano, tem buscado parcerias e oferecido incentivos para instalação de novas empresas em sua cidade. Segundo ele, a maior empregadora no município é a própria prefeitura. “Precisamos mudar este panorama o mais rápido possível, a falta de emprego gera a emigração principalmente dos jovens para os grandes centros fazendo com que o município venha a perder população”, falou.

O prefeito ressaltou que menos população significa também redução no valor do repasse do FPM, uma das principais receitas dos pequenos municípios. “Se a receita de Fênix, por exemplo, cair ainda mais, não sabemos para onde correr. E este problema não é só no nosso município, mas em várias ou quase todas as cidades da Comcam”, lembrou.

Fonte Walter Pereira/Tribuna do Interior

Anexos: