29/06/2016 - Hackers invadem servidor da Câmara de Araruna e danificam sistema

Hackers invadiram recentemente o servidor da Câmara Municipal de Araruna danificando todo o sistema informatizado do Legislativo. Após a invasão, o Portal da Transparência e de notícias da Casa de Leis ficaram sem acesso por alguns dias. O sistema de informação Mensal (SIM-AM) também ficou fora do ar. Foi constatada ainda a perda de dados do sistema contábil da folha de pagamento; orçamentos; controle interno; tesouraria e jurídico; inclusive todos os arquivos do Word e Excel de todos os computadores do local. O presidente da Câmara, Welington Aguiar Santana (PSB) registrou um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia Civil da cidade sobre o caso. A situação deixou grandes prejuízos ao Legislativo, afirmou Santana.

O contador do Legislativo, Felício Palma Júnior, vereador de Peabiru, relatou a invasão. “Quando chegamos para trabalhar [na segunda-feira (20)] não estava funcionando nenhum sistema informatizado, nem ao menos arquivos de textos conseguimos acessar”, lamentou. Após a invasão, os hakers deixaram os seguintes endereços de e-mails – ecovector2@aol.com e eco_vector@india.com - nos planos de fundo dos computadores na tentativa de contato da Câmara para uma negociação para devolução dos arquivos.

“Eles raqueiam os arquivos e depois pedem resgate para devolver tudo. Como contato deixaram estes dois endereços de e-mail que aparecem nas telas dos computadores, mas não retornamos, pois não teríamos como pagar”, disse Junior. Segundo ele, uma invasão parecida aconteceu recentemente a outra Câmara da região, cujos invasores solicitaram US$ 3 mil como pagamento para devolução dos dados. Como a Câmara não fez questão de negociar para ter os dados de volta, todas as máquinas passaram por formatação e reinstalação do sistema, informou Junior.

O presidente da Câmara, Welington Santana lamentou o ocorrido. Segundo ele, são inúmeros os transtornos causados pela invasão. “Todos os documentos que tínhamos e não tinha back-up foram perdidos. Arquivos de Excel, e Word, por exemplo, ficaram todos criptografados”, falou. “Temos um back-up até julho de 2015, de lá para cá acredito que perdemos tudo, leis escaneadas, arquivos de contabilidade, entre outros”, falou.

Fonte: Walter Pereira/ Tribuna do Interior

Anexos: