20/01/2016 - Iretama: prefeita sanciona lei da Câmara que proíbe embutidos na merenda escolar

A prefeita de Iretama, Filó Saab (PDT), sancionou a Lei nº 054/2015 que determina a proibição de todo tipo de produtos embutidos e outras carnes processadas no cardápio da merenda escolar dos centros de educação infantil e escolas do município a partir deste ano. A lei é inédita na região da Comcam. No Paraná, apenas a Câmara de Curitiba discute um projeto com o mesmo teor.

O autor do projeto de Lei, Charles Rodrigo Vitti (PMDB), popular “Digão” elogiou a sensibilidade da prefeita do município aos riscos da ingestão destes tipos de alimentos pelas crianças do município. “Vou enviar ofício à prefeita quando voltarem as sessões da Câmara agradecendo a iniciativa”, comentou.

“Digão” disse que o projeto de lei foi apresentado em novembro do ano passado e teve aprovação unânime do Legislativo, tanto no primeiro quanto no segundo turno, no mês de dezembro. A proposta, segundo o vereador, está baseada em um estudo da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer (IRAC), da Organização Mundial da Saúde (OMS), que coloca carnes processadas na lista de produtos cancerígenos.

Nesse grupo estão a salsicha, mortadela, salame, chouriço e outros embutidos. Para o vereador, tudo isso deve ser eliminado da composição da merenda das escolas e creches da cidade. “Minha preocupação é porque esses produtos foram colocados no grupo 1 de risco de câncer, ao lado do tabaco, amianto e fumaça de diesel. Isso não sou eu falando, mas a Organização Mundial da Saúde”, argumentou.

Segundo o vereador, em seu relatório, a IRAC explica que as conclusões estão baseadas na ‘literatura científica acumulada’ e examinadas por ‘um grupo de trabalho de 22 especialistas de 10 países’. “De acordo com esse estudo, a carne processada aumenta o risco de câncer de colorretal em até 18%, além de piorar quadros de enxaquecas e gastrites”, sustentou.

A lei determina também, que os professores comecem trabalhar questões relacionadas à educação alimentar nas escolas, com relação ao risco de embutidos à saúde. “Sabemos algumas famílias não têm condição de ter alimentos mais saudáveis, mas a salsicha, por exemplo, pode ser substituído facilmente por um ovo”, comentou. O vereador acrescentou que no retorno à aulas ele fará a divulgação pessoalmente nas escolas sobre a lei. “E vamos fiscalizar também se as escolas estão cumprindo o que determina a lei”, falou.

 Fonte: Walter Pereira/Tribuna do Interior

Anexos: